1 de ago de 2017

Sugestão de Leitura: "História concisa da Semiótica" - Anne Hénault


Sinopse: 

História concisa da semiótica mostra o encadeamento das descobertas semióticas que se produziram a partir do final do século XIX e funda a singularidade e a autonomia da semiótica a partir do "ponto de não retorno" que é o conjunto da meditação de Saussure sobre a língua. E também mostra como L. Hjelmslev, de um lado, e N. Trubetzkoi e R. Jakobson, de outro, prolongaram e aperfeiçoaram o saussurianismo. 


Depois analisa a contribuição dos formalistas russos e do "estruturalista" V. Propp e delimita a maneira com que Greimas reinterpretou e concretizou todo esse edifício teórico.



A obra pode ser adquirida pelo link: 

1 de jul de 2017

Sugestão de leitura "Razão e Poética do Sentido" - Claude Zilberberg


A indicação de leitura deste mês é a obra de Claude Zilberberg "Razão e Poética do Sentido". Nessa obra o autor retoma a discussão posta nos anos 70, dos planos do conteúdo e da expressão na poesia, propondo questões relevantes para a análise dos textos poéticos e nos oferece uma das mais radicais leituras da tradição de estudos da linguagem inaugurados com Saussure.

O livro também apresenta a resposta dada por Zilberberg sobre como abordar os conteúdos sensíveis ao lado dos conteúdos inteligíveis já então previstos pelo modelo descritivo de Algirdas Julien Greimas.

A obra pode ser adquirida  pelo link: https://www.estantevirtual.com.br/b/claude-zilberberg/razao-e-poetica-do-sentido/3781384748

1 de jun de 2017

Sugestão de Leitura: “Com Greimas - Interações semióticas” – Eric Landowski

Sinopse:

Este volume reúne nove artigos publicados por Landowski entre 1993 e 2017 em livros ou revistas hoje dificilmente localizáveis. Relendo-os, parece que se assiste à maturação da semiótica greimasiana mediante uma longa reflexão sobre as bases epistemológicas da teoria, vista por um dos seus construtores. Tomando posição (ou “partido” como diz Landowski) sobre as problemáticas que Greimas desenvolveu de 1966 a 1992 nos seus livros e que foram testadas no seminário da EHESS pelo “clube” dos colaboradores, o sociossemioticista justifica o modo como ele ajustou os princípios e os conceitos da teoria às opções pessoais que assumiu. Da semiótica das situações e da “presença” a uma semiótica da experiência, passando pelas questões de identidade e de estilo, é de uma ampla abordagem da vida social que Landowski mostra a caminhada ao mesmo tempo que delinea uma problemática renovada do sentido em geral. 


1 de mai de 2017

Sugestão de Leitura: “ Semióticas Sincréticas: Posições (a Linguagem do Cinema) ” - Waldir Beividas


Com as várias transformações metodológicas em torno da semiótica que ocorrem na contemporaneidade, principalmente pelo avanço da linguagem, as diferentes formas de manifestações e análises centradas nas semióticas sincréticas, neste mês, sugerimos a leitura da obra de Waldir Beividas “ Semióticas Sincréticas: Posições (a Linguagem do Cinema) ”.

O livro traz discussões sobre posições metodológicas da semiótica discursiva e propõe um modelo hipotético do modo de presença, de interação e de funcionamento dos vários códigos no interior das linguagens complexas (o cinema sendo, no caso, o objeto referencial).



25 de abr de 2017

Agenda e Resumos das Apresentações do Grupo de Pesquisa em Semiótica (GPS)

O Seminário de Semiótica da UNESP tem apresentações dos pesquisadores membros agendadas ao longo de todo o ano de 2017. As apresentações ocorrerão sempre das 9h30 às 11h30, na sala 37, nos dias indicados, no campus da UNESP em Araraquara. Logo após, das 11h às 12h30, ocorrerão as leituras selecionadas do LeSem, grupo que realiza leituras da área de Semiótica. Abaixo, confira a agenda de apresentações assim como os resumos de cada uma delas:

25/04


A PRÁTICA DA PSICOGRAFIA: CORPO E TRANSMISSÃO EM RELATOS DE EXPERIÊNCIA MEDIÚNICA

RESUMO
Este estudo teve por objetivo investigar a prática da psicografia ou escrita mediúnica com base em relatos de experiência de médiuns psicógrafos da cidade de Uberaba (MG). Sob a perspectiva da semiótica greimasiana e com base nas contribuições de Jacques Fontanille, sobre o estudo das práticas semióticas, pudemos compreender: a sintagmática do ato mediúnico e da escrita mediúnica; a constituição do actante e do ator-médium nesses relatos de experiência; seus mecanismos enuncivos e enunciativos, responsáveis pelos efeitos de sentido de “verdade”, implicados no estabelecimento do contrato fiduciário; a existência, no córpus, de uma figuratividade “mediúnica” e do além-vida; e as relações entre corpo e transmissão, que nos permitem descrever como a memória de uma prática pode ser constituída e transmitida, enquanto configuração semiótica e cultural. A análise do córpus nos permitiu, assim, reconstruir o percurso da psicografia como prática semiótica, em seus diversos níveis de imanência. Considerando a influência sociocultural e o impacto editorial da escrita psicográfica no contexto brasileiro, bem como a inexistência de estudos linguísticos ou semióticos a esse respeito, acreditamos que o presente estudo tenha auxiliado a preencher uma importante lacuna para a compreensão dessa prática tão polêmica quanto inexplorada, e que atesta a diversidade linguística, linguageira e cultural de uma expressiva parcela de brasileiros.

Leslie Rachel Goufo Zemmo 

Université de Liège - Belgique

SÉMIOTIQUE ET BANDES DESSINÉES: UN RENOUVEAU MÉTHODOLOGIQUE DANS L’ANALYSE DES ÉNONCÉS SYNCRÉTIQUES

RESUMO
La bande dessinée peut, d’un certain point de vue, être considérée comme un ensemble de techniques et de pratiques professionnelles, un corps d’action et un discours produit et diffusé dans l’espace public. Elle constituerait aussi un phénomène social avec ses dimensions historiques, un corps de savoir organisé et diffusé par les experts et spécialistes de son champ d’action. C’est donc naturellement dans cet ordre d’idées que les analyses qui la concernent depuis quelques décennies l’approchent comme un objet purement médiatique. Elles la rapprochent ainsi vers un volet davantage culturel plutôt que langagier. Pour justifier cette thèse, il faut dire que premièrement, certaines analyses de la bande dessinée ont voulu, dans leur début, la légitimer en tant qu’art exigeant (Masson, 1985 : 7). De ce point de vue, trois phases (Dejasse, 2010 : 8) précèdent cette légitimation. Tout d’abord, la phase de la structuration d’un discours externe aux praticiens (1960-1970), ensuite, la phase de la mouvance alternative avec la revendication des artistes (1990-2000) et pour terminer, la phase du discours sur la bande dessinée en bande dessinée. Deuxièmement, certaines analyses dites sémiotiques de la bande dessinée ont négligé, elles aussi, cette dimension langagière. En effet, lorsque Floch J-M. (1985) par exemple s’intéresse pour la première fois à la bande dessinée, son analyse de la planche de B. Rabier, « un Nid inconfortable », étudie particulièrement, le codage semi-symbolique d’un décor ainsi que son importance dans la manipulation du lecteur par certains effets de perspective. Il tend à constituer cette planche comme un objet culturel dont la visée serait binaire, à la fois nature et culture. Il est donc regrettable que malgré la richesse de ces différentes pistes méthodologiques, qu’elles soient culturelle ou sémiotique, aucune n’a pensé à envisager la bande dessinée comme un objet langagier tout simplement. Notre objectif dans cette communication est donc celui de considérer la bande dessinée comme un objet langagier afin d’y appliquer une lecture sémio-pragmatique. C’est ici qu’intervient le principe d’immanence cher à Greimas. Il permet en effet que la bande dessinée soit considérée comme un langage qui se suffit à lui-même, un langage dans lequel il faudrait abandonner les descriptions substantielles pour ne s’en tenir qu’aux relations intralinguistiques entres les unités. Ces différentes unités étant elles-mêmes définies par les seules relations qui les unissent.
Nous montrerons dans un premier temps les limites méthodologiques des sémiotiques et/ou sémiologies spécifiques précédentes appliquées à la bande dessinée, ensuite, nous nous inspirerons du principe d’immanence cher de la sémiotique greimassienne pour comprendre comment s’ajustent les unités sémiotiques pour permettre la construction du texte de la bande dessinée.

16/05


O “SENSÍVEL” NAS OBRAS DE A. J. GREIMAS

RESUMO
Mostraremos neste trabalho a emergência do conceito de “sensível” ao longo da obra do precursor da semiótica do discurso, A. J. Greimas, e, consequentemente, sua permanência nos estudos semióticos. Selecionamos como recorte para esta análise os seguintes textos: “L’actualité du sassurisme” (1956); Sémantique structurale (1966); Du sens (1970); Maupassant: la sémiotique du texte. Exercices pratiques (1976); Du Sens II (1983); De l’imperfection (1987) e Sémiotique des passions (1991) pela perspectiva da historiografia linguística.

Thaís Borba Ribeiro Rodrigues

HINOS PATRIÓTICOS BRASILEIROS: UMA LEITURA SEMIÓTICA

RESUMO
Este estudo investiga as estratégias textuais e discursivas utilizadas em hinos patrióticos brasileiros para mobilizar o sensível e incitar a identidade nacional. A análise percorrerá características peculiares desse gênero, como o sincretismo que concentra linguagens, a tematização e a figurativização marcantes e a manipulação do sensível que promove a instauração e a manutenção de identidades textuais, discursivas, estilísticas e culturais.

20/06


O CONCEITO DE ENUNCIAÇÃO NAS OBRAS DE A. J. GREIMAS

RESUMO
O objetivo deste trabalho é historiografar o conceito de enunciação na semiótica de linha francesa, buscando demonstrar como esse conceito, que não é exclusivo da semiótica, desenvolveu-se desde a década de 1960 até início dos anos de 1990, período em que o problema envolvendo a significação encontrava-se no centro das atenções do mestre lituano. O olhar historiográfico pretendido neste trabalho baseia-se em estudos desenvolvidos por semioticistas como Jacques Fontanille, Denis Bertrand, Jean-Claude Coquet, entre outros, balizados pelos princípios historiográficos de contextualização, de imanência e de adequação, além do argumento de influência, desenvolvidos por E. F. K. Koerner para a Historiografia linguística.


OYAPOCK: TERRITÓRIO DE DISPUTA, FRONTEIRA E COBIÇA

RESUMO
Este estudo, ainda em desenvolvimento, pensa a questão do Oyapock, território disputado pelo Brasil e França entre os séculos XIX e XX. Nosso interesse é apresentar o cenário que norteou as relações nas disputas entre os dois países, bem como as relações entre diferentes atores nesse palco, principalmente quando se pensa a descoberta do ouro no Calçoene.

08/08


SEMIÓTICA DISCURSIVA: UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE OS PLANOS DA LINGUAGEM

RESUMO
Esta pesquisa tem como objetivo realizar uma investigação sobre a concepção de planos da linguagem, mais especificamente as noções de expressão e de conteúdo, na perspectiva da semiótica discursiva, noções presentes desde as definições iniciais de signo (SAUSSURE, 2006) e de função semiótica (HJELMSLEV, 2006). A metodologia de análise será aquela dos princípios historiográficos de contextualização, imanência e adequação, de Koerner (1996a; 1996b), traçando o percurso teórico dos planos da linguagem a partir da Linguística de Saussure (2006), até os trabalhos mais recentes da semiótica discursiva, como Fontanille e Zilberberg (2001) e Fontanille (2013), os quais apresentam novas perspectivas e concepções metodológicas em torno dos planos da linguagem. Acredita-se que, por meio de uma pesquisa historiográfica, novas concepções a esse respeito possam contribuir para o desenvolvimento da teoria semiótica, na medida em que nos permitem enriquecer os debates sobre a análise do plano da expressão, tema central da semiótica contemporânea.


PROPOSTAS E DEBATES RELACIOANDOS AO CONCEITO DE FIGURATIVIDADE NOS TOMOS I E II DO SEMIÓTIQUE, DICTIONNAIRE RAISONNÉ DE LA THÉORIE DU LANGAGE

RESUMO
No interior da cultura científica da semiótica, é de conhecimento que os tomos I e II do Sémiotique, dictionnaire raisonné de la théorie du langage, de Greimas e Courtés, talvez sejam as fontes de pesquisa mais utilizadas pelos semioticistas, haja vista que essas obras são referências bibliográficas encontradas em quase todos os trabalhos desenvolvidos com o aparato metodológico dessa teoria. É no Sémiotique, dictionnaire raisonné de la théorie du langage que encontramos a definição de figuratividade, colocando o conceito oficialmente no rol dos termos que fazem parte da metalinguagem semiótica e da operacionalidade do projeto semiótico. Desse modo e considerando que a figuratividade opera em relação a diferentes conceitos da metalinguagem semiótica, propomos fazer uma leitura mais detida dos verbetes explorados nos razoados de semiótica para identificarmos em quais deles existem problematizações teóricas que envolvam a figuratividade. Para executarmos essa tarefa, utilizaremos a metodologia de pesquisa da historiografia linguística, segundo estudos empreendidos por pesquisadores como E. F. K. Koerner, P. Swiggers e C. Altman, para fazermos um levantamento dos debates e das propostas de trabalho nos quais a figuratividade opere ao se relacionar com os demais conceitos apresentados nos tomos I e II do Sémiotique, dictionnaire raisonné de la théorie du langage, e, na sequência, descrevê-los e interpretá-los.


05/09


DO GÊNERO EPISTOLAR AO COMENTÁRIO ON-LINE: PRÁTICAS DE LEITURA NA SALA DE AULA

RESUMO
Este trabalho tem como objetivo apresentar uma reflexão sobre a problemática que envolve o gênero epistolar quando proposto a partir da prática textual da correspondência em dois ambientes: o escolar e o digital. Ocupa-se, por conseguinte, da investigação dos aspectos que organizam a produção das cartas, destacando suas peculiaridades, bem como a possível similaridade que se materializa em sua produção. Posteriormente, visa problematizar os papéis e posições enunciativas que são adotadas a partir da análise do conjunto de operações realizadas na textualização do percurso argumentativo – estrutura, organização e desenvolvimento –, a fim de discutir de que modo constituem os sujeitos que nelas se inscrevem, buscando identificar, por meio dos sentidos produzidos, marcas de subjetividade e identidade.


PRÁTICA DESNOTICIOSA E VERIDICÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O SITE SENSACIONALISTA E O BLOG THE PIAUÍ HERALD

RESUMO
A pesquisa tem como objetivo analisar os elementos discursivos utilizados por dois blogs humorísticos cujo foco é a simulação da realidade na veiculação de notícias falsas, o Sensacionalista e o The Piauí Herald. Tendo como base a hierarquia de níveis de pertinência semiótica proposta por Jacques Fontanille (2008) pretende-se investigar a existência de práticas desnoticiosas na composição dos blogs, assim como analisar os novos contratos veridictórios estabelecidos entre enunciador e enunciatário e os mecanismos enunciativos que instauram distintos estatutos veridictórios de verdade, falsidade, segredo e mentira nos enunciados. Utilizando estudos acerca da enunciação e os novos desdobramentos da semiótica, a pesquisa pretende definir a existência de uma nova prática discursiva presente no meio virtual.

03/10

Tatiane da Silva

ESTUDO SEMIÓTICO DOS EDITORIAIS POLÍTICOS DO JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO

RESUMO
Essa pesquisa tem como objetivo analisar a relação entre os discursos políticos e as formas como esses discursos são filtrados pela mídia e transmitidos ao público por meio dos textos editoriais do jornal O Estado de São Paulo com a finalidade de estabelecer um campo de estudo pouco explorado no âmbito da semiótica. Os editoriais políticos do jornal serão utilizados para análises e comparações partindo de uma perspectiva da semiótica discursiva proposta por Greimas. Essa pesquisa pretende fornecer informações relevantes para uma melhor compreensão do uso do signo com finalidades persuasivas e políticas dentro do texto jornalístico.


UMA ANÁLISE SEMIÓTICA DA REVISTA MUÇULMANA FRANCO-MAGREBINA FEMININA GAZELLE

RESUMO
Pretende-se com este trabalho analisar a construção do sujeito feminino da revista franco-magrebina Gazelle na relação que se dá entre os elementos enunciativos que determinam a imagem do enunciatário, por meio da análise das linguagens verbal e visual, passando o texto através dos níveis fundamental, narrativo e discursivo do percurso gerativo da significação. Para tanto, serão também utilizados os conceitos eidético, cromático e topológico da semiótica plástica.

07/11


SEMIÓTICA DA HISTÓRIA EM QUADRINHOS: TEORIA E HISTÓRIA

RESUMO
Este trabalho, privilegiando uma historiografia dos estudos semióticos e semiológicos no Brasil, pretende levantar, revisar e inventariar estudos brasileiros de âmbito acadêmico sobre as histórias em quadrinhos, quando analisada sob a perspectiva da semiótica. A reflexão mostra o percurso da ciência e das pesquisas sobre HQ no Brasil de modo a traçar um percurso histórico da semiótica de linha francesa, a aplicação de seus conceitos e suas possíveis novidades.

Carlos Alberto dos Santos Roza

O ESFORÇO DE GUERRA AMERICANO NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL: UM ESTUDO SEMIÓTICO DOS CARTAZES


RESUMO
O objetivo deste trabalho foi analisar cartazes que foram criados e impressos durante a Segunda Guerra Mundial, segundo a semiótica desenvolvida por A. J. Greimas. Para tanto, foram selecionados e analisados quatro cartazes do período, abordando-se o plano do conteúdo e, a seguir, o plano da expressão. O Semissimbolismo é o resultado da articulação destes dois planos. No plano do conteúdo foram analisados, em cada cartaz, os níveis fundamental, narrativo e discursivo, em seguida, estudou-se o plano da expressão em suas categorias topológica, cromática e eidética. Na época do conflito mundial cada um dos cartazes transmitia a mesma mensagem utilizando-se de elementos diferentes. Os artistas de então procuraram inovar seus trabalhos e seus recursos visando atingir o maior efeito e resposta que o momento pedia, tais como o de explorar os espaços na área do cartaz para transmitir a mensagem verbal.

05/12

Renata Cristina Duarte

PRÁXIS ENUNCIATIVA E FORMAS DE VIDA EM RUBEM FONSECA

RESUMO
Fundamentada nos pressupostos da teoria Semiótica francesa, a presente pesquisa tem como corpus contos do autor brasileiro contemporâneo Rubem Fonseca presentes nos livros Feliz ano novo (2010) e Amálgama (2013). Uma das recorrências dos contos, objetos de análise, está na construção dos atores protagonistas, os quais executam performances que rompem com os comportamentos em uso requeridos e instauram um modo de ser individual. Observa-se que há um desencontro entre o ser e o parecer desses sujeitos, bem como um conflito entre a moral coletiva e a ética pessoal, o que coloca em relação formas de vida convencionais e subversivas. Desse modo, o objetivo da pesquisa é analisar a relação entre o conceito de “Formas de vida” e “Práxis enunciativa”, observando, como a dinâmica da práxis enunciativa contrasta formas de vida tradicionais, estabilizadas na rotina, e formas de vida inventivas. Baseia-se na hipótese de que tal dinâmica permite o reconhecimento de formas de vida armazenadas no sistema cultural, bem como daquelas que transgridem os códigos culturais e os usos estabelecidos. Para proceder à análise, prioriza-se a narratividade subjacente a todo e qualquer texto, como prevê a tradição semiótica, e os estudos sobre o conceito “Formas de vida” e “Práxis enunciativa”, a fim de enriquecer a abordagem teórica que tem sido dada a tais noções no âmbito da Semiótica francesa.

Raíssa Medici de Oliveira

PRÁXIS ENUNCIATIVA E EMERGÊNCIA D EUMA NOVA FORMA DE VIDA: UM ESTUDO EM TORNO DA CONSTITUIÇÃO DO ATOR HOMEM “DONO DE CASA” EM TEXTOS DA CULTURA BRASILEIRA

RESUMO
Com base no referencial teórico-metodológico da semiótica francesa, nosso trabalho tem como objetivo geral investigar o papel da práxis enunciativa na constituição de novas formas de vida. Como objetivo específico, define-se a investigação do processo de emergência da forma de vida do ator homem “dono de casa” na cultura brasileira, estabelecendo como tônica da análise as estratégias discursivas empregadas por diferentes enunciadores na configuração do referido ator em textos da chamada “cultura de massa”. Busca-se compreender, destarte, como diferentes enunciadores convocam os valores da moral que, depositados pelo uso no “imaginário cultural” da sociedade brasileira, regem os comportamentos femininos e masculinos nessa sociedade; como esses valores da moral se realizam, recuperando, assim, esse “imaginário cultural” ou como eles se potencializam, dando lugar à manifestação de novos valores, os quais provêm de uma ética pessoal fundadora de uma nova forma de vida. O trabalho é relevante, nesse sentido, por dois motivos: primeiro porque acompanha, direta ou indiretamente, os atuais debates em torno das mudanças de comportamento de homens e mulheres na sociedade contemporânea; segundo porque se embasa nos conceitos de práxis enunciativa e forma de vida, que constituem conjuntamente, hoje, um dos campos de questionamento mais pertinentes para a consolidação da semiótica no seio das ciências humanas e sociais.



O CONCEITO DE "TEXTUALIZAÇÃO" EM MANUAIS BRASILEIROS DE SEMIÓTICA GREIMASIANA

RESUMO
A presente pesquisa tem como objetivo analisar a abordagem do conceito de “textualização” em textos brasileiros de introdução à semiótica greimasiana. Entende-se por textualização a junção de um conteúdo a uma forma da expressão tendo em vista sua manifestação em texto. Com o objetivo de obter uma visão diacrônica sobre o conceito, foi selecionado um córpus composto por sete manuais de introdução à semiótica greimasiana produzidos no Brasil entre 1979 e 2009, cobrindo, assim, trinta anos de produção científica sobre o tema.

24 de abr de 2017

Início das atividades do SSU e do LeSem em 2017

Em 2017, os encontros do Seminário de Semiótica da Unesp (SSU) e do grupo de leitura LeSem: Leituras em Semiótica acontecerão mensalmente às terças-feiras, respectivamente, das 9h30 às 11h e das 11h às 12h30, na sala 37 da Faculdade de Ciências e Letras da UNESP, câmpus de Araraquara.

Próximo encontro:


SSU


25/04 (terça-feira, das 9h30 às 11h, sala 37)

A prática da psicografia: corpo e transmissão em relatos de experiência mediúnica
Cintia Alves da Silva (GPS-UNESP - UNESP/Araraquara)

Sémiotique et bandes dessinées: un renouveau méthodologique dans l'analyse des énoncés syncrétiques
Leslie Rachel Goufo Zemmo (Doutoranda - Université de Liège/Bélgica)


LeSem

25/04 (terça-feira, das 11h às 12h30, sala 37)

Obra para leitura: Semântica Estrutural, de A. J. Greimas.
Debatedores: Cintia Alves da Silva (GPS-UNESP - UNESP/Araraquara) e Leslie Rachel Goufo Zemmo (Doutoranda - Université de Liège/Bélgica)



Consulte aqui a programação completa de 2017.

21 de mar de 2017

PODCAST: "Linguistique et sémiotique: de l'immanence à la sémiotique des genres", com Alessandro Zinna (DIA 1)


Ouça a primeira das duas aulas do minicurso "Linguistique et sémiotique: de l'immanence à la sémiotique des genres", ministrado pelo Prof. Dr. Alessandro Zinna (Université Toulouse II « Jean Jaurès » ), no âmbito do Seminário de Semiótica da Unesp, de 20 a 21 de março de 2017.

Aula 1 (20/03/2017): "Archéologie et immanence"

Áudios:

Dia 1 - Parte 1

Dia 1 - Parte 2

14 de mar de 2017

Minicurso "Linguistique et sémiotique: de l'immanence à la sémiotique des genres"




Nos dias 20 e 21 de março de 2017, será oferecido na FCL/Araraquara o minicurso "Linguistique et sémiotique: de l'immanence à la sémiotique des genres", ministrado pelo Prof. Dr. Alessandro Zinna (Université Toulouse II « Jean Jaurès » ).

O minicurso é uma promoção do Programa de Pós-graduação em Linguística e Língua Portuguesa e do Grupo de Pesquisa em Semiótica da Unesp (GPS-Unesp).

Datas e horários do minicurso: de 20 a 21 de março, das 14h às 17h.
Carga horária total: 6h
Local: FCLAr/Unesp, Anf. D.
Número de vagas: 60.
O minicurso será ministrado em francês, sem tradução para o português.

As inscrições estão abertas até 17 de março, pelo link: http://pitagoras2.fclar.unesp.br/inscricoes/index.php


Sobre o ministrante

Alessandro Zinna é professor titular de semiótica na Université Toulouse II « Jean Jaurès », diretor do laboratório Médiations Sémiotiques, atual responsável pelo Colloque d’Albi e Secretário da Federação Românica de Semiótica. Doutorou-se na Università di Bologna, sob a orientação de Umberto Eco, e atuou como pesquisador no laboratório de A. J. Greimas na EHESS/Paris. É autor de Elementi di Semiotica generativa (em colaboração com Francesco Marsciani, ed. Esculapio, 1991), e organizou Hjelmslev aujourd'hui (ed. Brepols, 1997), Les objets au quotidien (em colaboração com Jacques Fontanille, PULIM, 2005), e La inmanencia en cuestión, vol. I-III (com L. Ruiz Moreno, Tópicos del Seminario,  n° 31, 32, 33, 2014-15).


Programação

20/03 - Archéologie et immanence.
L’archéologie est une méthode immanente visant à dépasser la fermeture du texte. À partir d’une reconstruction de l’immanence en sémiotique, cet essai se propose de montrer que l’archéologie se propose de sortir de la fermeture du texte sans pourtant déroger du principe d’immanence.

21/03 - Formations sémiotiques et genres de discours.
Dans cette recherche nous introduisons une approche dynamique de la culture tout en intégrant le discours, les objets et les pratiques en tant que parties d’une même « formation sémiotique ».
Proposé à l’origine par Michel Foucault, ce concept de « formation discursive" est ici reformulé et étendu afin d’interroger l'archéologie des formations. La seconde partie s’interroge sur les genres de discours récent : en particulier les contraintes de la publicité, de l’information et du spectacle.

13 de fev de 2017

Sugestão de leitura: "Corpo e sentido" - Jacques Fontanille



A partir do livro Corps et sens, de Jacques Fontanille, publicado em 2011 pela PUF, a EDUEL apresenta Corpo e sentido, traduzido por Fernanda Massi e Adail Sobral.

Além do conteúdo original, a versão em português também apresenta o Prefácio de Jacques Fontanille e o Posfácio dos tradutores, intitulado "Corpo e sentido: motivações para traduzir e o percurso de uma tradução".

A obra pode ser adquirida em formato impresso ou e-book no site da editora: http://www.eduel.com.br/corpo-e-sentido.html

"Corpo e sentido concentra-se particularmente no argumento principal de uma teoria semiótica do corpo. O sentido só é apreendido em suas transformações e transposições, quaisquer que sejam elas: a junção e o ajustamento de uma expressão e de um conteúdo, a enunciação que transpõe uma experiência em um mundo significante etc. Para cada uma dessas transformações, deve-se supor uma força que é mobilizada por um actante, ao qual pode-se atribuir a operação. A transformação e o actante que a realiza jamais são, de fato e de direito, isolados: eles reencontram outras transformações em curso, e outros actantes, implicados na mesma situação semiótica e imersos no mesmo ambiente de sentido."